< Insights

Containers: Conheça a conteinerização e como ela funciona

  • DevOps
  • Artigo

A palavra container, em português, significa grande recipiente de metal de grandes dimensões destinado ao acondicionamento e transporte de cargas em navios.

Entretanto, quando o assunto é programação e DevOps, a palavra container tem uma aplicação e funções que seguem essa mesma lógica, mas destinadas à tecnologia..

Vamos conhecer mais sobre esse tema?

O que são containers?

A tecnologia de containers foi desenvolvida perante a necessidade de uma ferramenta que fornecesse recursos sem que houvesse um sistema operacional para cada processo, pois isso demandava um hardware mais potente, além dos custos e os desperdícios serem maiores. 

Os containers são conjuntos de aplicações utilizados no funcionamento dos processos em um sistema, ele fornece e compartilha todos os arquivos necessários sem que haja necessidade de configuração de um novo sistema operacional para cada um desses processos. Eles têm o objetivo de segregar processos, onde todos são executados compartilhando o mesmo núcleo (kernel) do sistema operacional, isso significa que eles não necessitam de um sistema operacional completo, facilitando e diminuindo a incompatibilidade entre processos. 

Resumindo, a conteinerização é uma técnica utilizada para empacotar códigos, bibliotecas e dependências e fornecer recursos de uma forma isolada, com o objetivo de facilitar o funcionamento e a portabilidade de informações.

Como funcionam os containers?

Para trabalhar com containers, é bem comum a utilização do Docker, uma tecnologia e plataforma open source, desenvolvida em Go, a linguagem de programação da Google.

Imagine que você está utilizando uma aplicação junto com um banco de dados, e sua aplicação terá as dependências dela com as versões necessárias para o seu sistema operacional específico. Porém você está trabalhando com outros sistemas operacionais, ou talvez com outras versões do mesmo sistema e precisa que esses outros sistemas também executem essa aplicação. A questão é que essa aplicação foi criada com as dependências do seu sistema, logo ela não conseguirá ser executada em outras versões ou sistemas.

Então, com o Docker você consegue dizer exatamente qual é o sistema operacional, qual é a versão e quais as necessidades exatas que serão utilizadas para a execução dessa aplicação, logo essa aplicação será capaz de rodar em qualquer lugar dentro de um container.

O Docker virtualiza sua aplicação isolando ela de qualquer dependência do sistema operacional hospedeiro. Todas essas configurações que definimos no nosso container serão criadas e executadas uma única vez dentro de uma imagem Docker e você consegue compartilhá-las com outros sistemas para que eles executem essa imagem dentro de um outro container. 

Com isso é possível criar e definir o sistema operacional desta imagem, quais as dependências que essa imagem vai utilizar e criar as regras específicas para ela, assim como todo sistema que for utilizá-las dentro de um container, terá as configurações necessárias independente do sistema operacional.

Containers na prática

A partir do momento em que é tomada a decisão de desenvolver uma aplicação, deve ser levado em consideração que será necessário a criação de três ambientes distintos sendo, um ambiente de produção, um ambiente de desenvolvimento e um ambiente para validação de testes.

Entretanto, simplificar e trazer confiabilidade aos ambientes pode ser muito complexo devido às especificações de cada aplicação.

Implementando os containers na plataforma Docker, é possível inserir diversas versões de uma aplicação em cada um dos ambientes, já que cada container permite a criação de um ambiente isolado.

O Docker facilita a criação de ambientes padronizados por meio da replicação de containers, devido às aplicações operarem em função dos containers que não possuem nenhum relacionamento com ambientes como o sistema operacional, por exemplo.

O desenvolvimento dos containers ocorre a partir da leitura de uma figura que abriga todas as especificações necessárias para o funcionamento da aplicação. É isso que possibilita com que uma aplicação seja executada de maneira consistente em todas as etapas de produção, desenvolvimento e testes, já que todas as instruções e especificações necessárias estão presentes na figura, que pode vir a originar vários containers, os quais podem ser desempenhados regularmente em qualquer ambiente.

Você deve saber que ao utilizar a tecnologia de containers é necessário garantir que ela tenha um bom gerenciamento, e nesse cenário é que surge o processo de orquestração de containers. A orquestração é responsável por zelar pela vida útil dos containers, em paralelo a suas características e exigências. Ela possibilita a gestão e automatização de várias atividades como aplicação de recursos, escalabilidade, provisionamento, implementação, equilíbrio e disponibilidade de containers.

Atualmente, no mercado existem vários orquestradores que permitem o gerenciamento múltiplo de containers. Entre os principais podemos citar Kubernetes e Docker. 

Quais as vantagens da utilização dos containers em aplicações?

Atualmente, a tecnologia de containers é uma das melhores opções para empresas que desejam se destacar no mercado e principalmente otimizar seus processos. A conteinerização traz alguns benefícios como:  

  • Impulsiona a aplicação de DevOps;
  • Redução de custos relacionados à mão de obra de instalações e configurações de máquinas virtuais;
  • Aumento da disponibilidade das aplicações;
  • Processos otimizados dedicados em aplicações;
  • Infraestrutura enxuta.

Por meio da conteinerização, também é possível gerir melhor os recursos, já que os containers realizam o isolamento dos processos, permitindo configurar a utilização de CPU e armazenamento de uma maneira personalizada. A agilidade em alteração de escala é outra vantagem derivada do isolamento de processos, que possibilita que os containers sejam estabelecidos e suspensos aceleradamente.

É importante ressaltar que a principal função dos containers é o estabelecimento de ambientes padronizados, o que atualmente é uma das principais tarefas que efetivam o bom funcionamento de DevOps.

Agora que você já conhece a importância do “casamento” entre containers e DevOps, como funciona a conteinerização e suas principais vantagens e aplicações. Que tal trazer suas necessidades a um time especializado em DevOps e ver na prática como essas ferramentas podem auxiliar no funcionamento e gerenciamento da sua aplicação?

Conheça mais sobre a consultoria de DevOps da Objective!

Insights do nosso time

Obtenha insights do nosso time de especialistas sobre metodologias de desenvolvimento de software, linguagens, tecnologia e muito mais para apoiar o seu time na operação e estratégia de negócio.