< Insights

Como a cultura Data Driven pode fazer sua empresa crescer

  • Inovação e Gestão

A cultura do Data Driven é aquela em que os processos são orientados por uma análise multidisciplinar das informações da empresa.

Antes de qualquer decisão estratégica, são extraídos conhecimentos dos dados para transformá-los em ações. Isso evita aquelas decisões baseadas no “achismo” que tem grandes chances de dar errado.

Todo tipo de informação é válida, sejam vindas do CRM, analytics, big data, inteligência artificial e outros. Estes já são meios conhecidos que fornecem dados, mas que muitas vezes são subutilizados para desenhar estratégias.

Quem pode utilizar o data driven?

Todas as áreas e funcionários são beneficiados quando têm acesso a uma série de dados relevantes. Por exemplo, marketing e vendas pode entender com maior embasamento às necessidades e preferências dos clientes.

Áreas internas, como de Gestão de Pessoas, podem aproveitar os dados de produtividade dos colaboradores para incluir este indicativo em uma avaliação de desempenho.

Cabe a empresa incentivar a adotá-los, explorá-los e examiná-los no dia a dia das atividades e na tomada de decisões. Por exemplo, banco Itaú realizou um programa chamado “Batalha de Dados”, desafiando os colaboradores a criar soluções inovadoras aos clientes utilizando dados reais durante um hackathon. Como resultado, surgiram novos projetos relacionados a segurança de dados dos clientes.

Vantagens do Data Driven

Aderir a cultura do data driven traz uma série de vantagens importantes para a empresa, como assertividade nas decisões e em planejamentos estratégicos. Prepara equipes para mudanças que podem ocorrer no mercado e no comportamento do cliente.

Comparando com uma pessoa, é como se fosse aquela precavida que olha todos os dias a previsão do tempo antes de escolher a roupa que vai vestir, ela sabe se precisará levar guarda-chuva ao sair. A possibilidade de ser pega de surpresa por uma mudança brusca no tempo é muito menor.

Mas é claro que imprevistos acontecem – podem vir, por exemplo, como uma pandemia. A diferença é que quem analisa dados antes de tomar decisões tem reações mais rápidas às mudanças e maior capacidade de planejar uma mudança de rota.

Resultados de quem já utiliza os dados a seu favor

As empresas que já estão maduras na utilização do data driven já colhem resultados. Oito indústrias de diversos países europeus já são 30% mais eficientes e obtiveram 20% de aumento em receita após adotarem o data driven, segundo pesquisa da Google com o Boston Consulting Group, informação publicada no portal Mundo do Marketing.

Um relatório de 2018 publicado pela Forrester diz que empresas data driven devem crescer mais de 30% anualmente e faturar 1,8 trilhões de dólares até 2021.

Amazon: Uma referência no data driven

Executivo da Amazon que trabalhou por 5 anos na empresa, Jesse Freeman, conta que todas as reuniões de planejamento ou estratégia tem informações de dados históricos, dados ativos e previsões de dados futuros.

A maior parte das equipes tem analistas de dados dedicados que criam relatórios semanais, conectam sistemas de relatórios entre as diferentes unidades de negócios e automatizam a maior quantidade possível de coleta de dados. Tudo isso para que todos tenham um raio X do estado da unidade de negócios em que trabalham.

Na prática, isso trouxe muitos resultados, como a criação de um sistema de recomendação personalizado, que analisa os hábitos de compras dos clientes, o que está ou já esteve no carrinho e itens que o usuário visualizou para dar uma experiência única que compra e produtos recomendados.

Os dados também são utilizados na precificação dos produtos. Os preços do site podem mudar a cada 10 minutos com um gerenciamento feito a partir de dados da concorrência, da demanda e disponibilidade do produto.

TI como protagonista na gestão dos dados

Para disponibilizar os dados de maneira estruturada e organizada é importante que a empresa tenha uma boa infraestrutura em TI, seja de forma física com bons servidores e bancos de dados de alta performance, ou virtual com os dados em nuvem, pois se a intenção é coletar um grande volume de dados, precisa ter uma infraestrutura que possibilite processá-los e automatizá-los.

A utilização de nuvem para compartilhamento dos dados é mais atrativa para empresas que desejam implantar a cultura data driven. Algumas vantagens são:

  • Mais agilidade no compartilhamento de informações,
  • Atualização dos dados em tempo real;
  • Escalabilidade no uso dos serviços;
  • Redução de custos com infraestrutura interna.

Outro ponto importante é investir na proteção desses dados, com controle de acessos, firewalls e toda segurança possível para que, ao mesmo tempo, os dados estejam disponíveis a todos os interessados e estes também estejam seguros dentro da empresa.

Por fim, é necessário ter uma equipe com profissionais capacitados para lidar com as ferramentas e que façam a gestão desses dados. Estes profissionais devem buscar entender o tipo de informação que pode ser interessante para determinada área, e apresentar quais dados disponíveis podem ser utilizados por eles.

Se uma empresa deseja implantar a cultura de data driven, a área de TI precisa ser vista como uma aliada estratégica e não apenas como uma área de suporte. Assim, será possível disponibilizar dados de múltiplas fontes de maneira prática e dinâmica para que todas as áreas possam tomar decisões com maior embasamento.

Sugira um artigo

    Para enviar o formulário é necessário o aceite das políticas.

    Insights do nosso time

    Obtenha insights do nosso time de especialistas sobre metodologias de desenvolvimento de software, linguagens, tecnologia e muito mais para apoiar o seu time na operação e estratégia de negócio.