< Insights

Arquitetura de Dados: a base para tomar decisões inteligentes

  • Transformação Digital
  • Artigo

Em um mundo cada vez mais orientado por dados, a gestão e a estruturação correta das informações se tornaram fundamentais para empresas de todos os tamanhos e setores. A arquitetura de dados é a espinha dorsal desse universo digital, permitindo que organizações aproveitem ao máximo as informações à sua disposição. Neste artigo, exploraremos mais sobre o tema, do conceito até a prática.

O que é e como funciona a arquitetura de dados?

A arquitetura de dados é um conjunto de práticas e tecnologias que permitem que as empresas gerenciem seus dados de forma eficiente e segura. Ela envolve a organização, armazenamento, processamento e análise de dados, com o objetivo de fornecer informações valiosas para a tomada de decisões.

Uma arquitetura de dados é composta por vários componentes, incluindo hardware, software, redes e serviços em nuvem. Esses componentes trabalham juntos para garantir que os dados sejam coletados, armazenados e processados de forma eficiente e segura.

A arquitetura de dados em uma empresa madura é uma estrutura complexa e bem organizada que envolve a coleta, o armazenamento, o processamento e o gerenciamento de dados em escala empresarial. Ela desempenha um papel fundamental na tomada de decisões, na operação eficiente dos negócios e no suporte às estratégias da empresa. Aqui estão os principais aspectos de como a arquitetura de dados funciona:

Coleta de dados

  • Diversas fontes: grandes empresas geralmente coletam dados de uma variedade de fontes, como transações comerciais, aplicativos, sensores, mídias sociais, dispositivos IoT e parceiros.
  • Integração de dados: os dados de várias fontes precisam ser integrados  e consolidados para formar uma visão única e consistente das informações.

Armazenamento de dados

  • Data Warehouses: As empresas utilizam data warehouses para armazenar grandes volumes de dados estruturados. Isso permite análises de dados históricos e relatórios detalhados.
  • Data Lakes: Para dados não estruturados e semiestruturados, os data lakes oferecem flexibilidade e escalabilidade, permitindo o armazenamento de grandes quantidades de dados brutos.

Processamento de dados

  • ETL (Extract, Transform, Load): processos ETL são usados para extrair dados de diversas fontes, transformá-los em um formato útil e carregá-los nos sistemas de armazenamento.
  • Processamento em tempo real: em muitos casos, o processamento em tempo real é essencial para tomar decisões rápidas. Isso pode envolver o uso de tecnologias como o streaming de dados e o processamento de eventos complexos.

Acesso e visualização

  • Painéis e relatórios: a arquitetura de dados suporta a criação de painéis interativos e relatórios personalizados que ajudam os tomadores de decisão a acessar informações relevantes de maneira rápida e eficiente.
  • APIs e integrações: os dados também são disponibilizados por meio de APIs para que outras aplicações possam acessá-los e incorporá-los.

Segurança e privacidade

  • Políticas de acesso: existem rigorosas políticas de controle de acesso para garantir que apenas pessoal autorizado possa acessar dados sensíveis.
  • Criptografia e auditoria: a criptografia e a auditoria são usadas para proteger dados confidenciais e rastrear atividades de acesso.

Governança de Dados

  • Metadados: a gestão de metadados ajuda a documentar e controlar os dados, incluindo definições, origens e propriedades.
  • Padronização: a padronização de nomenclaturas e classificações de dados é essencial para garantir a consistência e a compreensão dos dados em toda a empresa.

Evolução Contínua

  • Escalabilidade: a arquitetura de dados precisa ser escalável para atender às crescentes demandas de dados em uma grande empresa.
  • Adaptação: à medida que as necessidades de negócios evoluem, a arquitetura de dados deve ser adaptada para incorporar novas tecnologias e metodologias.

Conformidade regulatória

  • As organizações precisam cumprir regulamentações de privacidade de dados, como o RGPD na União Europeia ou a Lei de Proteção de Dados no Brasil (LGPD), e a arquitetura de dados desempenha um papel crucial na conformidade.

Já existem muitas empresas que têm implementado eficazmente arquiteturas de dados bem estruturadas, proporcionando ganhos reais em termos de eficiência, tomada de decisão e inovação. No entanto, a disponibilidade de informações detalhadas sobre as operações internas de empresas específicas é frequentemente limitada devido a questões de confidencialidade e segurança.

Sabemos de algumas empresas que demonstraram sucesso ao implementar arquiteturas de dados eficazes e que compartilharam algumas informações publicamente, como Amazon, que tem sua arquitetura de dados sustentando tudo, desde suas operações de comércio eletrônico até o Amazon Web Services (AWS). A empresa usa dados para personalizar recomendações de produtos, otimizar operações de armazém e tomar decisões de negócios informadas.

Além dela, podemos citar o Google, como uma das maiores empresas de tecnologia do mundo, tem uma arquitetura de dados avançada para indexar e fornecer resultados de pesquisa relevantes em tempo real, além de oferecer serviços de publicidade altamente segmentados.

Acesse nossa página para entender como o poder dos dados e da inteligência artificial impulsiona resultados tangíveis na sua empresa!

Qual o papel da arquitetura de dados na tomada de decisão?

A arquitetura de dados é fundamental para empresas que buscam gerenciar e utilizar seus dados de forma eficiente. Ela envolve a organização, armazenamento, processamento e análise de dados, com o objetivo de fornecer informações valiosas para a tomada de decisões.

Ela permite que as empresas coletem e analisem dados de várias fontes, incluindo clientes, fornecedores e parceiros de negócios. Com esses dados, as empresas podem tomar decisões informadas sobre estratégias de negócios, marketing, vendas e muito mais.

Além disso, a arquitetura de dados permite que as empresas identifiquem tendências e padrões nos dados, o que pode ajudá-las a prever o comportamento do mercado e tomar decisões mais precisas.

Para garantir que a arquitetura de dados seja eficaz, é importante que as empresas definam padrões e políticas para a coleta, armazenamento e uso de dados. Isso inclui a definição de formatos, esquemas de banco de dados, políticas de backup e recuperação de desastres, entre outros.

Diferença entre sistemas de armazenamento de dados

Existem vários tipos de sistemas de armazenamento de dados disponíveis, cada um com suas próprias vantagens e desvantagens. Os três principais tipos são bancos de dados relacionais, NoSQL e sistemas de arquivos distribuídos. 

Os bancos de dados relacionais são baseados em tabelas e são ideais para dados estruturados. Eles são altamente confiáveis e oferecem recursos avançados de segurança e gerenciamento de transações. 

Os bancos de dados NoSQL, por outro lado, são ideais para dados não estruturados e semiestruturados. Eles são altamente escaláveis e flexíveis, permitindo que as empresas gerenciem grandes volumes de dados com facilidade. Os sistemas de arquivos distribuídos são ideais para armazenar grandes quantidades de dados não estruturados, como arquivos de mídia e logs de servidor. Eles são altamente escaláveis e podem ser usados para armazenar dados em vários servidores. 

Vamos explorar mais as suas características e principais diferenças.

Bancos de dados relacionais

Modelo de dados

Os bancos de dados relacionais seguem um modelo de dados tabular, organizando as informações em tabelas com linhas e colunas. Os dados são estruturados e seguem um esquema predefinido.

Esquema fixo

O esquema é rígido e requer uma definição clara das tabelas, colunas e tipos de dados antes que os dados sejam inseridos.

SQL

A linguagem SQL (Structured Query Language) é usada para consultar e manipular os dados. Isso permite realizar consultas complexas e relacionar tabelas.

Transações ACID

Os bancos de dados relacionais garantem transações ACID (Atomicidade, Consistência, Isolamento e Durabilidade), o que garante a integridade e a confiabilidade dos dados.

Escalabilidade vertical: 

A escalabilidade é geralmente vertical, o que significa que é possível aumentar o desempenho adicionando mais recursos a um único servidor.

Uso comum

Amplamente utilizado em aplicações que envolvem dados altamente estruturados, como sistemas de gerenciamento de registros financeiros, sistemas de gerenciamento de estoque e aplicativos empresariais tradicionais.

Bancos de dados NoSQL

Modelo de dados flexível

Os bancos de dados NoSQL permitem armazenar dados em formatos diversos, como documentos, pares chave-valor, colunas ou gráficos. Não têm um esquema rígido.

Escalabilidade horizontal

São projetados para escalabilidade horizontal, o que significa que é possível adicionar mais servidores para lidar com cargas maiores.

Alta velocidade e escalabilidade

São adequados para cenários de alto desempenho e grandes volumes de dados, como aplicativos da web e mídias sociais.

Flexibilidade

São úteis quando as necessidades de dados estão em constante evolução, pois permitem adicionar novos campos ou tipos de dados sem a necessidade de redefinir um esquema.

Consistência eventual: 

Alguns bancos de dados NoSQL sacrificam a consistência forte em favor da disponibilidade e da tolerância a falhas (modelo BASE, em oposição ao ACID).

Diversidade de modelos

Existem várias categorias de bancos de dados NoSQL, incluindo bancos de dados de documentos, bancos de dados de colunas, bancos de dados de gráficos e bancos de dados de chave-valor.

Sistemas de arquivos distribuídos

Armazenamento de arquivos

Os sistemas de arquivos distribuídos são projetados principalmente para armazenar e gerenciar arquivos em grande escala, como documentos, imagens, vídeos e outros tipos de dados não estruturados.

Escalabilidade horizontal

Assim como os bancos de dados NoSQL, esses sistemas são escaláveis horizontalmente para lidar com grandes volumes de dados.

Redundância e tolerância a falhas 

Muitos sistemas de arquivos distribuídos são projetados com redundância e tolerância a falhas, o que os torna adequados para armazenamento confiável e recuperação de dados.

Modelo de consistência 

A consistência dos dados pode variar dependendo do sistema, indo de fortemente consistente a eventualmente consistente.

Exemplos

Exemplos de sistemas de arquivos distribuídos incluem o Hadoop HDFS (Hadoop Distributed File System) e o Amazon S3 (Simple Storage Service).

A escolha entre bancos de dados relacionais, bancos de dados NoSQL e sistemas de arquivos distribuídos depende das necessidades específicas de um projeto ou aplicativo. Cada abordagem tem suas vantagens e desvantagens, e a escolha deve ser baseada na natureza dos dados, nos requisitos de escalabilidade, na flexibilidade do modelo de dados e em outros fatores específicos ao caso.

Modelagem de dados: conceito e tipos de dados

A modelagem de dados é o processo de criar uma estrutura de informações que serão capturadas por um banco de dados. É um processo que começa com a definição de um modelo conceitual, que serve para estabelecer a visão geral; depois, a definição de um modelo lógico; e, por fim, o desenvolvimento de um modelo físico. 

Os modelos de dados são usados para representar a forma como os dados fluirão. Eles permitem que várias partes interessadas, como desenvolvedores, engenheiros de computação, especialistas em BI e analistas de negócios, concordem sobre os dados que irão capturar e como desejam usá-los antes de construir bancos de dados e data warehouses. 

Existem vários tipos de modelos de dados, mas os principais são:

Modelo hierárquico

Este modelo é baseado em uma estrutura de árvore, onde cada nó representa um registro e cada ramo representa um conjunto de campos. Esse modelo é adequado para dados com relacionamentos um-para-muitos, mas não é adequado para dados complexos.

Modelo em rede

É semelhante ao modelo hierárquico, mas permite que um registro tenha vários pais. É adequado para dados complexos, mas algumas vezes pode ser difícil de gerenciar.

Modelo relacional

Tem como base tabelas, onde cada uma delas representa uma entidade e cada linha representa uma instância dessa entidade. As tabelas são relacionadas por meio de chaves estrangeiras. Esse modelo é o mais comum e é usado em bancos de dados relacionais, conforme seu nome.

Modelo orientado a objetos

Este modelo é baseado em objetos, onde cada objeto representa uma entidade e cada atributo representa uma característica dessa entidade. Os objetos são relacionados por meio de referências.

Armazenamento de dados e Big Data

O big data é um tema que tem ganhado cada vez mais destaque na área de tecnologia e negócios. Ele se refere a um grande volume de dados que é grande demais para ser processado por um único computador. Com o aumento da quantidade de dados gerados diariamente, ele se tornou uma ferramenta importante para empresas que buscam insights valiosos a partir desses dados. 

O armazenamento de dados é uma parte importante do big data, pois é necessário armazenar grandes quantidades de dados antes que eles possam ser processados. Para lidar com isso, os dados são divididos em partes menores e distribuídos em vários computadores, que trabalham juntos para processar os dados. 

Lidar eficientemente com big data demanda uma infraestrutura de armazenamento escalável e flexível. Nesse contexto, o armazenamento de dados em sistemas distribuídos e na nuvem ganha destaque, proporcionando a capacidade necessária para acomodar grandes volumes de informações. Tecnologias avançadas como Hadoop e Spark, reconhecidas por suas estruturas distribuídas, desempenham um papel crucial no processamento e na análise de dados em ambientes voltados para o big data. Além disso, a popularidade dos bancos de dados NoSQL torna-se evidente, uma vez que essas plataformas são especialmente projetadas para lidar com dados em grande escala, sejam eles não estruturados ou semiestruturados. Essa combinação de armazenamento distribuído, processamento eficiente e bancos de dados adaptados contribui para a eficácia na gestão e extração de insights valiosos em cenários de big data.

Arquitetura de dados na nuvem

A arquitetura de dados na nuvem é um modelo de armazenamento de dados que permite que os dados sejam armazenados em servidores remotos, acessíveis pela internet. Essa arquitetura é composta por vários componentes, incluindo servidores de banco de dados, servidores de aplicativos e servidores de armazenamento. 

A nuvem é projetada para ser escalável e flexível, permitindo que as empresas armazenem grandes quantidades de dados e acessem esses dados de qualquer lugar do mundo. Além disso, a segurança é uma característica proeminente na arquitetura de dados na nuvem, com diversas camadas de proteção implementadas para assegurar o armazenamento seguro e acessível dos dados.

Até 2021, a adoção de soluções de nuvem, incluindo arquiteturas de dados na nuvem, estava em crescimento significativo em vários setores. Empresas de todos os tamanhos estavam migrando para a nuvem para aproveitar benefícios como escalabilidade, flexibilidade, eficiência operacional e acesso simplificado a recursos tecnológicos avançados.

Os principais provedores de serviços em nuvem, como Amazon Web Services (AWS), Microsoft Azure, e Google Cloud Platform, continuaram a experimentar um aumento na demanda por seus serviços relacionados a dados na nuvem.

A arquitetura de dados na nuvem oferece várias vantagens, mas também apresenta desafios que podem variar dependendo das necessidades específicas de cada organização e do tipo de dados que estão sendo gerenciados. Separamos abaixo algumas vantagens e desvantagens da arquitetura de dados na nuvem.

Vantagens:

Elasticidade e escalabilidade:

A capacidade de escalar recursos de armazenamento e processamento conforme a demanda permite uma flexibilidade significativa para lidar com variações no volume de dados.

Custos operacionais reduzidos:

Muitas soluções de nuvem operam em um modelo de pagamento conforme o uso, o que pode resultar em custos mais baixos em comparação com infraestruturas tradicionais, especialmente para empresas com demandas variáveis.

Acesso remoto e colaboração:

Acesso fácil aos dados de qualquer lugar com uma conexão à internet, promovendo a colaboração remota e a tomada de decisões baseada em dados em tempo real.

Atualizações automáticas

As atualizações de software e segurança são frequentemente gerenciadas automaticamente pelo provedor de serviços em nuvem, reduzindo a carga operacional para as equipes de TI.

Segurança avançada

Os provedores de nuvem geralmente investem fortemente em medidas de segurança, oferecendo criptografia, controle de acesso e outras camadas de proteção para garantir a integridade e confidencialidade dos dados.

Facilidade de integração

Plataformas de nuvem geralmente suportam uma variedade de serviços e ferramentas, facilitando a integração de diferentes sistemas e fontes de dados.

Desvantagens

Dependência de conectividade de internet:

A eficácia da arquitetura de dados na nuvem depende da disponibilidade e da qualidade da conexão com a internet, o que pode ser uma limitação em algumas situações.

Questões de privacidade e conformidade:

Em alguns setores, especialmente aqueles que lidam com dados sensíveis, pode haver preocupações em relação à privacidade e conformidade com regulamentações específicas.

Latência em aplicações sensíveis ao tempo:

Aplicações sensíveis ao tempo, que exigem baixa latência, podem enfrentar desafios quando executadas em ambientes de nuvem, especialmente em comparação com infraestruturas locais.

5 melhores práticas sobre arquitetura de dados

Destacamos algumas das tendências mais recentes e práticas fundamentais para orientar a concepção e implementação de arquiteturas de dados eficientes, refletindo os avanços tecnológicos e as demandas dinâmicas do ambiente empresarial moderno.

Definir uma estratégia clara

É importante definir uma estratégia clara para a arquitetura de dados, incluindo objetivos, requisitos e padrões. Isso ajudará a garantir que a arquitetura de dados esteja alinhada com as necessidades da empresa e possa ser facilmente adaptada às mudanças no ambiente de negócios.

Garantir a qualidade dos dados

A qualidade dos dados é fundamental para a arquitetura de dados. É importante garantir que os dados sejam precisos, completos e atualizados. Isso pode ser feito por meio de processos de limpeza de dados e validação de dados.

Usar uma abordagem modular

Uma abordagem modular para a arquitetura de dados pode ajudar a garantir que a arquitetura seja escalável e flexível. Isso pode ser alcançado por meio do uso de componentes reutilizáveis e da separação de preocupações.

Garantir a segurança dos dados 

A segurança dos dados é uma consideração importante na arquitetura de dados. É importante garantir que os dados sejam armazenados de forma segura e acessível apenas para usuários autorizados. Isso é possível por meio do uso de criptografia, autenticação e autorização.

Manter a arquitetura atualizada

A arquitetura de dados deve ser mantida atualizada para garantir que ela continue a atender às necessidades da empresa. Para isso, devem ser feitas revisões regulares da arquitetura e da implementação de melhorias quando necessário.

Para saber mais sobre arquitetura de dados, converse com nossos especialistas e veja como a Objective consegue ser um parceiro em seus desafios estratégicos para alavancar a sua empresa. 

Insights do nosso time

Obtenha insights do nosso time de especialistas sobre metodologias de desenvolvimento de software, linguagens, tecnologia e muito mais para apoiar o seu time na operação e estratégia de negócio.