< Insights

Conheça a Lei de Little e saiba como ela pode ajudar na previsibilidade de entregas

  • Metodologias
  • Artigo

A previsibilidade de entregas é um desafio na gestão de projetos de desenvolvimento de software, visto que, o processo precisa ser mensurado com dados precisos. Por isso, para desenvolver produtos consistentes é necessário ter domínio sobre as métricas ágeis da empresa, uma delas é a Lei de Little, um cálculo que contribui na análise de processos e na avaliação de metas.

Nesse artigo, você conhece mais sobre essa métrica e como ela pode ajudar a sua empresa a ter maior previsibilidade de entregas.

O que é Lei de Little?

A Lei de Little é uma equação matemática que determina o fluxo de entregas de uma empresa e sua capacidade de absorver novas demandas. Dessa forma, determina a relação entre o número de atividades no sistema e a chegada de novas. Esse teorema foi criado na década de 60 por John Little, professor do MIT.

O cálculo da Lei de Little é feito com base em três variáveis: Work in Progress (WIP), Throughput e Lead Time. Nesse sentido, é utilizada para entender como as demandas são executadas em um período de tempo, assim, é possível obter previsibilidade do fluxo de entregas. Esse teorema é utilizado especialmente para estratégias de Quick Response Manufacturing (QRM), que tem como objetivo diminuir custos com a redução do Lead Time.

Qual a fórmula da lei de Little?

A fórmula da Lei de Little é composta por trabalho em progresso (WIP),  taxa de entrega (Throughput) e tempo que o item permanece dentro do fluxo (Lead Time). Assim, ao multiplicar a taxa de entrega pelo tempo do item no fluxo, temos o WIP. 

Dessa forma, temos a equação: L = A x W.

L: número de itens dentro do sistema de fila ou itens de trabalho em andamento, conhecido como WIP. A variável pode ser expressada por qualquer número inteiro.

A: também pode ser representado como lambda (“λ“) e refere-se à taxa de transferência, taxa de entrega ou Throughput. Nesse caso, a variável “A” sempre deve ser expressada por uma fração, sendo: 1 item/tempo.

W: Quantidade média de tempo que um item permanece no sistema de filas, também conhecido como Lead Time. A variável pode ser expressada em qualquer unidade de tempo, desde que a mesma unidade seja utilizada na variável “A”.

De modo geral, desde que pelo menos dois elementos sejam conhecidos, a Lei de Little pode ser utilizada para calcular uma das variáveis, seja o Throughput , WIP ou Lead Time. A seguir, outras configurações da fórmula:

Throughput (A) = WIP / Lead Time (A = L / W)

WIP (L) = Taxa de transferência x Lead Time (L = A x W)

Lead Time (W) = WIP / Taxa de transferência (W = L / A)

Quais as premissas básicas para utilização da Lei de Little?

Para que a Lei de Little seja aplicável, é primordial que o sistema seja estável. Veja abaixo quatro regras básicas para o funcionamento correto da Lei de Little:

Unidades de medida consistentes

Para que a Lei de Little seja aplicada corretamente, é essencial garantir que as unidades de medida sejam consistentes e equivalentes. Se uma taxa de chegada é expressada em dias, o tempo que os itens permanecem no sistema também devem ser em dias. Não respeitar essa regra resulta em dados inválidos.

Equivalência na quantidade e tempo de WIP

A Lei de Little só poderá ser aplicada se a taxa de chegada for igual à taxa de partida. Assim, a solução é gerir a taxa de chegada para que ela corresponda à taxa de partida. O caminho é não aceitar novos projetos ou iniciar tarefas até que o projeto em andamento seja concluído.

Sistema de filas

Possuir itens pendentes por um período de tempo indeterminado faz com que o tempo de WIP e a taxa de chegada sejam completamente imprecisos. As filas não são infinitas e uma hora ou outra irão acabar. Se o trabalho atual em análise não sair do sistema, não existirá um sistema de filas e, portanto, se não há filas, não há como aplicar a Lei de Little.

Taxas de partida e chegada

Para que o número de itens no WIP seja consistente, devemos voltar ao exemplo de taxa de partida e chegada. A consistência desses dois fatores definirá a consistência do WIP. Já na questão do tempo de WIP, é um pouco complicado garantir que a quantidade de tempo gasto dos itens seja constante. Entretanto, considerar rearranjar o escopo do seu projeto pode ser uma ótima ideia.

Quais são as aplicações práticas e cenários de uso da Lei de Little?

Confira abaixo as três possibilidades mais comuns de aplicação da Lei de Little utilizadas por gestores.

Cálculos

Como visto nas fórmulas acima, é muito fácil calcular qualquer uma das três variáveis da Lei de Little e visualizar como uma influencia a outra. Por isso, ela se torna uma ferramenta excelente para a realização de cálculos rápidos que contribuem para a avaliação de possíveis ações a serem tomadas.

Avaliação de metas

A Lei de Little também é muito utilizada para a realização de previsões rápidas, é possível utilizá-la tanto para ter uma noção de como uma mudança pode afetar a sua empresa, quanto para avaliar metas almejadas.

Vamos usar como exemplo uma situação onde a sua taxa de chegada e partida (Throughput) dobrará, sem que o tempo que os itens permanecem em seu sistema (WIP) se alterem, isso acarretará na duplicação do número de itens no sistema (Lead Time). Para que isso não ocorra, é necessário reduzir pela metade o tempo que permanece em uma fila.

Prognósticos e análises de processos

Imagine uma situação em que você precisa saber se possui todos os recursos necessários para lidar com um aumento de clientes. Primeiramente, deve-se usar a taxa de crescimento desejada juntamente com a taxa de chegada, multiplicando pela quantidade média de tempo que leva para lidar com o cliente. Após isso, é possível visualizar quantos clientes conseguem ser atendidos simultaneamente pelo seu sistema de suporte.

E se, por exemplo, eu desejar dobrar a fabricação de uma linha de produção com capacidade total? A fórmula da Lei de Little mostrará que apenas a metade do tempo Work In Progress está disponível para servir à nova Throughput. Utilizando essa técnica, é possível visualizar que essa opção está dobrando o sistema de enfileiramento, na prática, isso significa duplicar a linha de produção. Ao invés de reduzir o período do WIP pela metade, é possível calcular os custos envolvidos e reduzi-los.

Percebeu como a Lei de Little pode ser útil? Quer saber como otimizar os processos do seu negócio utilizando metodologias ágeis? Conheça os serviços de Consultoria Ágil da Objective!

Insights do nosso time

Obtenha insights do nosso time de especialistas sobre metodologias de desenvolvimento de software, linguagens, tecnologia e muito mais para apoiar o seu time na operação e estratégia de negócio.